Eu amo o meu namorado ou pelo menos amava, agora não sei, estou confusa. Ele andava a passar por alguns problemas e a não sentir-se ele mesmo e achou que o melhor no momento seria separarmos-nos, depois quando ele ficasse melhor voltávamos, eu não queria isto porque ainda nos amávamos e eu queria ajuda-lo, mas se esta era a melhor opção então assim o faria, mas custou-me muito, eu quis voltar e tentei falar com ele mas ele achava que precisava de mais tempo, então eu pus na cabeça que o havia de esquecer porque já nao aguentava e passado uns dias ele disse que queria voltar disse que nao se sentia totalmente bem mas nao suportava mais a distancia. O problema é que agora eu olho para ele (e para um pouco de tudo) e não sinto nada, absolutamente nada tirando secalhar por meros instantes um fantasma do que sentia este sentimento de apatia assusta-me. O que me aconselham?
Acredito que uma psicoterapia poderia ajudar-te a compreender melhor esses sentimentos, discriminar o que pode estar sendo provocado por uma mágoa passageira de eventuais desgastes mais estruturais na sua relação.
Ao dispor.

Dra. Ana Rita Simões Fonseca Pinto
Dra. Ana Rita Simões Fonseca Pinto
Psicólogo, Terapeuta alternativo
Matosinhos
Concordo com a colega. Várias coisas poderão estar a interferir com o sentimento que tem atualmente pelo seu namorado. Desde defesas que poderá ter criado como forma de se proteger emocionalmente da dor até à existência de um desgaste pela situação em si, entre outras hipóteses. A melhor forma de entender o que se passa será falar com um /a Psicólogo/a do seu caso específico.
Atenciosamente, Ana Pinto
Convidamo-lo para uma consulta: - 60 €
Pode reservar uma consulta através do site Doctoralia, clicando no botão Reservar uma consulta.

Dra. Sónia Sá
Dra. Sónia Sá
Psicólogo
Lisboa
Olá. Tal como as colegas já afirmaram, não é certo que possa dizer-se que é "isto" que está a acontecer. Uma relação entre duas pessoas é um intrincado conjunto de possibilidades. Existe a individualidade de cada um e existe a relação, na verdade, neste caso, há duas pessoas e ainda as visões que estas duas pessoas têm sobre si, sobre o outro e sobre o relacionamento que têm. Soou complicado? Não é, acredite.
No seu caso, e dado que se sente pouco segura dos seus sentimentos, aconselharia que se tentasse centrar em si, no seu corpo, na sua respiração. Há imensas técnicas com as quais poderá beneficiar e procurar a ajuda especializada de um profissional de saúde mental seria o que de melhor poderia fazer no momento. Através de acompanhamento psicológico, poderia ter acesso a partes de si que, neste momento, podem estar vedadas, por defesa, por protecção, porque é isso que todos nós tendemos a fazer: protegemo-nos, mesmo que de uma forma inconsciente.
Estou disponível para a ajudar, se assim quiser.

Olá.
Pelo que descreve, teve que lidar com uma perda afectiva que lhe foi bastante custosa e encontrou a sua forma de lidar com a situação, que pode ter passado pelo distanciamento afectivo.
Será importante perceber de que modo está a gerir esta perda e com que consequências para o seu bem estar.
A Psicoterapia pode ajudá-la nesse processo.
Estou ao seu dispor para qualquer outra questão.
Cumprimentos.

Dra. Lisete Gonçalves
Dra. Lisete Gonçalves
Psicólogo
Lisboa
Bom dia, face ao que apresenta, a psicoterapia parece-me ser a opção que pode ajudá-la.
Disponível para atendimento presencial ou online.
Cumps

 Maria João M. Cosme
Maria João M. Cosme
Psicólogo
Lisboa
Boa tarde,
Todos os dias são dias de recomeço e de reflexão. Penso que não se deve precipitar e deverá ir com calma..assumindo que todas as relações têm fases menos boas. Não significa que a relação se vá manter, o que terá é que pensar primeiro em si e onde se sente bem, o que se perdeu dentro de si durante este processo de desapego e se o que restou é suficiente para gostar de si na relação em que se encontra.
Disponível para ajudar nesta reflexão..
MjoaoCosme
Lisboa

Especialistas em Terapia de Casal

Catarina I Bernardes Fonseca

Catarina I Bernardes Fonseca

Psicólogo

Santarém

Rita Maria Leitão Cunha Fernandes Vilar

Rita Maria Leitão Cunha Fernandes Vilar

Dentista, Psicólogo

Guarda

Gad - Gabinete de Apoio à Dislexia

Gad - Gabinete de Apoio à Dislexia

Psicólogo, Terapeuta da fala

Patrícia Segurado Nunes

Patrícia Segurado Nunes

Psicólogo

Portimão

Catalim A.

Catalim A.

Psicólogo

Lisboa

Joana A. Alves Rosa

Joana A. Alves Rosa

Psicólogo

Rabo de Peixe

content.questions.show.related_questions

Tem perguntas?

Os nossos peritos responderam a 17 perguntas sobre Terapia de Casal

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.

  • A sua pergunta será publicada de forma anónima.
  • Faça uma pergunta médica clara e seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um médico específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico ou serviço de urgências.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos nem pedidos de segunda opinião.

Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no Doctoralia.com.pt, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.