Tive uma depressão em maio 2015, fui a um psiquiatra e deixei a medicação em maio 2018.
Atualmente só tomo comprimidos dormir, porque passo as noites de olhos abertos se não tomar nada.
Quando iniciei o tratamento com psicofarmacos também iniciei TCC uma vez por semana.
Sinto-me bem, mas opsicólogo fica aborrecido quando eu não posso ir por questões profissionais e já lhe disse que quer terminar, mas ele não admite.
Não sei que fazer.
Obrigado.
Olá.
O uso de medicação é em alguns casos essencial. Ao nível das investigações prévias, acerca do tratamento de depressão está provado que o uso de medicação aliado com tratamento psicológico resulta num maior sucesso terapêutico (a curto e longo prazo), ao invés de serem usados separadamente. Quando investimos no tratamento psicológico, é importante sentir confiança, segurança e compreensão por parte do profissional de saúde. Se sente que existe uma rutura na relação terapêutica, será mais eficaz dialogar abertamente sobre o assunto. Estou certa que chegarão a um consenso, para uma solução mais eficaz para o seu tratamento.
Com os melhores cumprimentos,
Catarina Meireles

Olá! Concordo com a colega acima, o diálogo é sempre o melhor caminho para lidar com esse tipo de situação. Já falou abertamente com o seu psicólogo sobre os sentimentos que têm diante destas situações? Explicou porque já se considera pronto para encerrar o tratamento?
Entretanto, ressalto que embora caiba ao psicólogo uma opinião profissional fundamentada sobre o momento da alta, que deve ser explicada de maneira clara e objetiva ao paciente, a última palavra sobre a continuidade ou não do tratamento é sempre do paciente.
Com os melhores cumprimentos.

Boa tarde, a cadência das consultas e o rigor é fundamental para o sucesso do tratamento. Penso que qualquer um de nós sentirá desconforto quando há alteração após a marcação das consultas, porque isso altera o progresso do processo que está a ser feito. Contudo, há que perceber o que cada uma das partes considera em relação ao momento em que está o seu processo, e perceber se a cadência das consultas ainda é a adequada e se é tempo de fazer follow up.

Muito sucesso para si.

 Ana Maria Caires Santos
Ana Maria Caires Santos
Psicólogo
Funchal
Olá, ainda bem que se sente melhor!
No entanto dado que refere dificuldades em dormir, caso não tome a medicação; e tendo em conta que parou a medicação nem tem assim tanto tempo, seria importante manter o acompanhamento psicológico mais umas sessões. Hoje em dia recomenda-se um período de 6 meses a 1 ano de seguimento, após melhoria, para evitar recaídas ou agravamentos dos sintomas depressivos.
O ideal é de facto abordar este assunto com o seu psicólogo, e com certeza este explicará a sua percepção da sua situação clínica. Além disso, da sua parte poderá falar melhor de si e como se sente quanto a esta questão. Assim poderão acordar uma forma de agendamento de consultas mais conveniente para ambos.
Atenciosamente.

Dra. Renata Teles
Dra. Renata Teles
Psicólogo
Aveiro
Boa tarde
Se não dorme sem medicação é sinal que ainda não tem tudo "resolvido dentro de si". Então terá que perceber o que o perturba e aprender a ter uma boa "higiene do sono", conforme tem outros hábitos de higiene o dormir também exige determinados hábitos. E os medicamentos são excelentes auxiliares até se aliviar o sentir, depois quando prolongados no tempo prejudicam a saúde. Por isso fale com o seu psicoterapeuta para que perceba o que se passa para que ainda sinta necessidade da medicação.

 Tânia Luísa Costa
Tânia Luísa Costa
Psicólogo
Barcelos
Olá! Fique atenta ao seu processo! Atenção à auto sabotagem... Vistas as melhoras, consolide-as. É muito comum haver retrocesso para o padrão antigo Já se perguntou porque tem mais dificuldade agora em se comprometer com a terapia? Esclareça isso em si mesma. Que corra tudo pelo melhor!

Dra. Ernestina de Jesus
Dra. Ernestina de Jesus
Psicólogo
Portimão
Boa tarde
Deve estar atenta pelo menos ao sintoma de dificuldades em dormir , deve ainda avaliar se quando adia as sessões é por
Uma razão efectiva ou simplesmente porque se sente melhor e ou esgotou a relação terapêutica , após esta avaliação tome a decisão mais ajustada manter este acompanhamento ou procurar um outro psicoterapeuta .

Especialistas em Transtorno Depressivo

Adoindo Pimentel

Adoindo Pimentel

Psiquiatra

Adrián Gramary Cancelas

Adrián Gramary Cancelas

Psiquiatra

Fânzeres

Adriana M Horta

Adriana M Horta

Psiquiatra

Vila Nova de Gaia

Adriano S Vaz Serra

Adriano S Vaz Serra

Psiquiatra

Coimbra

Agnelo Marques Silva

Agnelo Marques Silva

Psiquiatra

Águeda

Alberto C F Gomes Santos

Alberto C F Gomes Santos

Psiquiatra

Porto

content.questions.show.related_questions

Tem perguntas?

Os nossos peritos responderam a 43 perguntas sobre Transtorno Depressivo

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.

  • A sua pergunta será publicada de forma anónima.
  • Faça uma pergunta médica clara e seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um médico específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico ou serviço de urgências.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos nem pedidos de segunda opinião.

Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no Doctoralia.com.pt, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.