Boa noite, suspeito que o meu filho seja dislexico e esta nova professora também tem a mesma opinião, como posso ajudá lo tendo em conta que está no 4ano.
Boa tarde,
Sugiro que procure uma avaliação de um psicólogo, para um diagnóstico válido.
De seguida, e em articulação com a escola, delinear a melhor estratégia.

Cumprimentos,
Jorge Fonte

Dra. Sofia Palma
Dra. Sofia Palma
Terapeuta da fala
Seixal
Boa tarde! Para além de uma avaliação psicológica que é uma mais valia no diagnóstico de dislexia, uma avaliação em Terapia da Fala será igualmente importante: para compreender quais as reais dificuldades do seu filho ao nível linguístico (oral e/ou de leitura e escrita) e para um diagnóstico diferencial o mais correto possível, em articulação com o profissional da área de Psicologia.

Boa tarde,
é muito importante que o menino seja avaliado por um psicólogo especialista na área, para que se estabeleça um diagnóstico correto e um plano de intervenção ajustado às dificuldades da criança, sempre em articulação com a escola. Em termos de prognóstico, é importante que a criança seja avaliada ainda durante o 1º ciclo.
Cumprimentos
Manuela Cameirão

 Ana Maria Caires Santos
Ana Maria Caires Santos
Psicólogo
Funchal
Perante a suspeita de dislexia na criança, a avaliação psicológica é de facto fundamental. Importa de facto comprovar a presença ou não de dislexia, compreender como esta se manifesta, se estão associadas outras dificuldades, e identificar os mecanismos que podem estar subjacentes à esta perturbação de aprendizagem.
O diagnóstico permite que a criança beneficie de diversos apoios especializados no contexto escolar e de uma intervenção psicopedagógica centrada nas suas necessidades individuais, os quais são determinantes para uma boa adaptação e sucesso escolares.
Hoje em dia, um diagnóstico de dislexia não tem de ser algo definitivo e/ou irreversível, e não impede a criança de seguir o seu percurso escolar. Existem métodos de intervenção eficazes, desde que sejam consistentes e adequados.
Mas, há que ter em atenção que a criança com dislexia pode apresentar alguns sinais comportamentais e emocionais (tais como fadiga frequente, desinteresse escolar, evitamento das actividades escolares e frustração, défice de atenção, e alterações do comportamento) para compensar a sua dificuldade, e este aspecto deve ser entendido e trabalhado.

Levando a um psicólogo , para fazer avaliação psicológica

 Joana Carvalho
Joana Carvalho
Terapeuta da fala
Coimbra
Sugiro que seja feita uma avaliação completa e partilhada por um terapeuta da fala e um psicólogo. Por norma o diagnóstico é feito após a avaliação de ambos. O psicólogo avaliará uma componente e o terapeuta da fala outra para, em conjunto, perceberem o que está a acontecer com a criança..concretamente na terapia da fala, a avaliação pode e deve ser pormenorizada, avaliando varias vertentes, para que se conheça bem o quadro da criança, quais as principais difículdades e como deve ser feita a intervenção. A partir daí sugerem-se as melhores estratégias para que a criança vá lidando com estas questões. Estou ao dispor para qualquer outro esclarecimento.

Especialistas em Dislexia

content.questions.show.related_questions

Tem perguntas?

Os nossos peritos responderam a 4 perguntas sobre Dislexia

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.

  • A sua pergunta será publicada de forma anónima.
  • Faça uma pergunta médica clara e seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um médico específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico ou serviço de urgências.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos nem pedidos de segunda opinião.

Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no Doctoralia.com.pt, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.