Boa Tarde.
Tenho 30 anos e apesar de eu nunca ter tido namorado e ser solteira, gostava muito de ter um namorado e de me casar.
Mas é a tal coisa, eu por muitos motivos não quero ter filhos, não tenho nenhuma paciência para sofrer birras e choros de crianças e como eu não quero ter filhos, quando eu tiver um namorado tenho muito receio de que ele me vaia deixar e de vir a ficar solteira para sempre somente pelo fato de eu não querer ter filhos, pois há homens que querem ter filhos.
1- No entanto, ao eu não querer ter filhos nem isso sequer fazer parte dos meus planos futuros, deverei ser sincera com o meu futuro namorado ao dizer-lhe que eu não quero ter filhos?!
Pois eu por causa disso, tenho muito receio de que ele me possa vir a deixar e como eu não quero ter filhos, eu não quero ficar solteira para sempre, uma vez que eu pretendo muito vir a ter um futuro namorado e me casar.

Aguardo pela resposta!
Boa tarde. Namorar, casar e ter filhos são assuntos diferentes. Para já o melhor seria encontrar alguém de quem goste e que goste si. As outras decisões virão depois. Desejo-lhe as maiores felicidades!

 Cristina Marreiros da Cunha
Cristina Marreiros da Cunha
Psicólogo
Paço de Arcos
Boa tarde, A primeira coisa a fazer é conhecer-se melhor, ou seja, perceber porque nunca namorou, porque sente agora necessidade de namorar, porque pensa que tem necessidade de casar e porque não quer ter filhos. (a falta de paciencia é um motivo, mas normalmente há outras questões por trás, que a podem estar a impedir de gostar suficientemente de si). Não ter filhos é sempre uma opção e se for a sua deve respeitá-la. Gostar de si e aceitar-se é o primeiro passo, depois perder o receio de se aproximar dos outros e de estabelecer relações. As relações para poderem evoluir devem basear-se na honestidade, e por isso não deve esconder a sua vontade de não ter filhos, embora as coisas que possam mudar. Pode-se namorar sem casar, casar sem ter filhos, ter filhos sem casar etc, tudo isto depende de muitos fatores. Nem o namoro nem o casamento, nem ter filhos, são soluções para nada. São apenas caminhos que escolhemos ou não.
Como disse, O primeiro passo será conhecer-se bem, aceitar-se e cuidar da sua criança interior , uma parte que todos temos, e que temos que aprender a tratar bem, para crescermos interiormente de forma saudável e podermos fazer escolhas mais livres, mais adultas e menos presas a traumas passados ou a ideais que, por vezes, nem são bem nossas. A melhor forma de fazer este trabalho de autoconhecimento é com um psicólogo. Felicidades e boas reflexões.

Dra. Andrea Moniz
Dra. Andrea Moniz
Psicólogo
São Domingos de Rana
Boa tarde, aconselho conhecer -se melhor de forma a ter uma visão real das suas motivações e só depois tomar decisões. As questões que coloca são muito importantes para a sua felicidade pelo que não creio que deva avançar sem que se conheça bem e saiba os porquês do que quer e não quer. Quanto à pergunta que faz sobre contar ao namorado o não querer filhos, depois de saber as suas verdadeiras razões, creio que a verdade é sempre o melhor caminho. A confiança é a base de um relacionamento feliz e sem verdade não vejo como possa fazer. Psicoterapia para começar...

Dra. Carolina Pardelinha
Dra. Carolina Pardelinha
Psicólogo
Vila Real
Auto conhecimento e penso q está num estado muito confusional faria muito sentido começar a fazer psicoterapia

 Carla Sofia Teixeira
Carla Sofia Teixeira
Psicólogo
Sabugal
Ola! Entenda que tudo se constrói por etapas. Considero que a primeira delas é desenvolver um processo de tomada de conhecimento de quem você realmente é: O que sente quando se vê ao espelho? Consegue emanar sentimentos positivos quando se olha? Consegue definir-se? Ama-se? Quais os seus sonhos, projetos, ambições? Sente-se realizada? ......
Em segundo lugar: menciona o medo de ser abandonada... de onde vem esse sentimento? Será fundamental analisar todos esses medos, de forma a se sentir preparada para uma eventual relação!
Centre-se em si, analise-se... se precisar de ajuda não hesite em pedi-la... nenhum psicoterapeuta a julgará!



Boa tarde! Como já reparou, fazemos opções diferentes em momentos diferentes das nossas vidas e é isso que nós distingue enquanto ser humano. Penso que deve tomar uma decisão de cada vez e se neste momento está disponível para um relacionamento, faça-o baseado na confiança que com certeza também espera do outro lado. A questão dos filhos é uma decisão que virá depois e como também já percebeu, será uma decisão assumida por ambos e não apenas por uma das partes. Bem haja!

Especialistas em Primeira consulta de Terapia de Casal

António Gormicho Boavida

António Gormicho Boavida

Clínico geral, Terapeuta alternativo

Lisboa

Catarina I Bernardes Fonseca

Catarina I Bernardes Fonseca

Psicólogo

Santarém

Rita Maria Leitão Cunha Fernandes Vilar

Rita Maria Leitão Cunha Fernandes Vilar

Dentista, Psicólogo

Guarda

Xavier Anton

Xavier Anton

Terapeuta alternativo

Oeiras

Gad - Gabinete de Apoio à Dislexia

Gad - Gabinete de Apoio à Dislexia

Psicólogo, Terapeuta da fala

Patrícia Segurado Nunes

Patrícia Segurado Nunes

Psicólogo

Portimão

Tem perguntas?

Os nossos peritos responderam a 1 perguntas sobre Primeira consulta de Terapia de Casal

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.

  • A sua pergunta será publicada de forma anónima.
  • Faça uma pergunta médica clara e seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um médico específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico ou serviço de urgências.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos nem pedidos de segunda opinião.

Escolha a especialidade médica dos médicos a quem quer fazer perguntas
Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no Doctoralia.com.pt, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.